As Entidades que integram a Mesa de Negociação sobre a CASSI se reuniram na manhã desta terça-feira, 5 de junho de 2018, com representantes do Banco do Brasil, para apresentarem proposta alternativa em razão das dificuldades enfrentadas pela Caixa de
Assistência. A reunião aconteceu na GEPES do Rio de Janeiro.

A proposta apresentada vinha sendo elaborada há cerca de 30 dias pelas Entidades e contou com a importante colaboração de diversos ex-dirigentes eleitos e indicados da CASSI, o que contribuiu para a formatação de um posicionamento consistente e realista em relação à situação atual daquela Caixa de Assistência. Essa proposta, que se espera seja aceita, proporcionará maiores condições para elaboração de um documento sem atropelos e com tempo suficiente para ser amplamente debatido e levado para aprovação dos associados.

A proposta leva em consideração fatos e decisões que privilegiem a perenidade da CASSI e atenda aos anseios de seus associados e usuários.
Na entrega do documento, as Entidades alegaram que a CASSI enfrenta a pior crise da sua história e que é necessário um esforço conjunto para manter viva a Caixa de Assistência.

Ressaltaram também que haverá algum sacrifício, mas que não recaia somente sobre os associados, pois o patrocinador detém obrigações relacionadas a direitos trabalhistas conquistados ao longo do tempo.

A proposta entregue pelas Entidades engloba três blocos que requerem tempos distintos para soluções: Risco Iminente de Intervenção da ANS em função dos baixos Índices de Liquidez e de Solvência. Modelo de Custeio e Estrutura de Governança. Mudanças Estruturais no Modelo de Atenção à Saúde, na Estrutura de Atenção Primária, nos Modelos Negociais com Prestadores, nos Métodos de Controle e Aprimoramento de Indicadores de Saúde.

A proposta entregue pelas Entidades prevê ações de CURTÍSSIMO prazo (de 45 a 60 dias para serem executadas), CURTO prazo (8 a 12meses) e MÉDIO prazo (3 anos).

AÇÕES DE CURTÍSSIMO PRAZO:

Obter junto ao patrocinador Banco do Brasil adiantamento estimado em R$ 1,2 bilhão, para ser quitado em 10 anos. O adiantamento será devolvido na forma de dedução mensal, pelo Banco do Brasil, quando do repasse das contribuições ordinárias no período de devolução pactuado. Obter junto ao Banco do Brasil a integralização dos valores relativos ao compromisso dele perante o Grupo de Dependentes Indiretos (GDI) no valor de aproximadamente R$ 700 milhões. O ingresso, na CASSI, de recursos relativos ao Grupo de Dependentes
Indiretos (GDI) irá sensibilizar seu Patrimônio Social, melhorando, por consequência, seu índice de solvência.

AÇÕES DE CURTO PRAZO:

Entidades apresentarão propostas sobre Modelo de Custeio e Estrutura de Governança e outros que necessitam de formalização estatutária e debate com os associados.

AÇÕES DE MÉDIO PRAZO:

Reavaliação do modelo de Atenção Integral à Saúde e dos programas assistenciais. Ampliação do número de adesões ao Plano CASSI Família no mercado de saúde. Aprimoramento do modelo negocial com prestadores.

Revisão do modelo de negócios (avaliação da possibilidade de verticalização, retomando as discussões de avaliação da possibilidade de parcerias com a Previ, avaliação da possibilidade de fusão com outras autogestões, entre outras).

A proposta foi assinada pela AAFBB, ANABB, CONTEC e FAABB.

As Entidades solicitaram que os representantes do BB deem o encaminhamento necessário para que a proposta seja analisada pelo patrocinador e pela CASSI e pediram agendamento de nova reunião tão logo seja possível. Além disso, foi reiterado a importância da continuidade da Mesa de Negociações.

FONTE: CONTEC

Comentários