A Funcef não tem problema de solvência ou de liquidez e, assim, não enfrenta nenhuma pressão para vender ativos, caso da Invepar ou Vale, afirmou, a jornalistas, o diretor do fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica.o diretor do fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal, Paulo Werneck. No caso da Invepar, há um trabalho de recuperação da companhia e, segundo ele, o ativo vai bem e há, no momento, gestão do caixa da empresa

Mês passado, tanto a Funcef quanto a Previ rejeitaram a oferta feita pelo fundo soberano Mubadala pela Invepar. Segundo Werneck, a proposta econômica oferecida foi “aquém”, por exemplo, da que já tinha sido feita, no passado, pela gestora canadense Brookfield.

A Funcef, segundo o executivo, tem 25% de exposição na Invepar, considerando equity e dívida, sendo esse seu limite por emissor. A fundação aumentou sua participação na Invepar ao subscrever uma emissão de debêntures. A Invepar analisa neste momento a emissão de dívida externa.

“Existe preço para sair (de um investimento) e preço para entrar”, disse, destacando que o fundo conversará com outros interessados no ativo. Além de Mubadala e Brookfield, a CCR também havia demonstrado interesse, no passado, na aquisição.

Em relação ao investimento da Funcef em Vale, Werneck disse que a fundação “analisa com calma”, mas destacou que hoje não existe impedimento de venda, se for essa a decisão no futuro. Assim como a Previ e Petros, a participação da Funcef está sob o guarda-chuva da Litel.

fonte: uol economia – 10/09/2018.

Comentários