O secretário especial da Secretaria Especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, criticou nesta terça-feira a quantidade de estatais financeiras e disse que em quatro anos o governo “vai dar um jeito nisso”
“Vai haver muita discussão no governo na hora certa. Mas este governo não deseja competir com bancos. O governo não tem que emprestar dinheiro”, disse Salim, acrescentando que tem respaldo do presidente Jair Bolsonaro na agenda de desestatizações.
Salim lembrou que um total de R$ 12,1 bilhões foi arrecadado neste ano entre vendas de ativos, concessões na área de infraestrutura e desinvestimentos. A meta citada pelo secretário para este ano é de R$ 20 bilhões. “Espero que (eu) possa superar minha meta”, afirmou.
O secretário disse que os presidentes da Caixa, Pedro Guimarães, e da Petrobras, Roberto Castello Branco, são seus “dois maiores aliados” na agenda de desestatizações. “Vamos reduzir substancialmente o número de empresas subsidiárias da Petrobras”, afirmou, citando o exemplo de Pasadena, refinaria localizada nos Estados Unidos e que está sendo vendida à Chevron.
Segundo ele, o governo está convicto de que a reforma da Previdência será aprovada pelo Congresso e gerará economia de “no mínimo” 1 trilhão de reais em dez anos.
“Acreditamos que a sensatez estará com o Congresso na hora da votação e que a reforma não será desidratada”, afirmou o secretário em evento promovido pelo Itaú Unibanco em São Paulo. (Por José de Castro).
fonte:uol / 23/04/2019.

Comentários