Guedes e cia. tentam economizar às custas dos pobres

A equipe de Paulo Guedes, ministro da Economia do governo Bolsonaro, quer tirar da Constituição Federal a previsão de reajuste do salário mínimo corrigido pela inflação.

O congelamento do salário mínimo teria o objetivo de gerar uma economia de R$ 35 bilhões a R$ 37 bilhões, de acordo com o Broadcast Político do Estadão.

A ideia do governo é que, em momentos de “desequilíbrio fiscal”, como o atual, seja possível congelar os aumentos nominais da remuneração por alguns anos.

A ideia vem sendo costurada com os deputados Pedro Paulo (DEM-RJ) e Felipe Rigoni (PSB-ES), respectivamente autor e relator de uma proposta que regulamenta a regra de ouro e tenta limitar o crescimento dos gastos obrigatórios.

Hoje, a Constituição prevê que é direito do cidadão ter acesso a um salário mínimo “com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo”.

A política de aumentos reais (ou seja, acima da inflação) vinha sendo executada nos últimos anos, após ser proposta pela presidenta Dilma Rousseff.

fonte:https://conversaafiada.com.br/economia – publicado em 16/09/2019

Comentários