Os bancários do Banco do Brasil estão vivendo uma verdadeira volta ao passado. Repetindo uma prática contumaz de sua política de gestão liberal da década de 90, a instituição solicitou o retorno de bancários que estão em licença-interesse e suspendeu a concessão de novas licenças. Existem atualmente cerca de 2100 bancários em licença-interesse na empresa.

Em comunicado enviado aos funcionários, o BB se limita a dizer que se trata de uma “decisão administrativa” com o objetivo de ocupar as vagas existentes. O banco não tem concurso vigente e por isso os funcionários vêm sofrendo com sobrecarga de trabalho e reestruturações.

No texto, o banco diz ainda que o bancário em licença-interesse deverá se apresentar até o dia 22 de novembro em seu local de trabalho. E ameaça: “Caso não compareça para posse, suas ausências a partir de 25/11/2019, serão classificadas como ‘falta não abonada não autorizada’, o que poderá incorrer em abandono de emprego, passível de demissão por justa causa (alínea I do artigo 482, da CLT)”.

“A licença-interesse é um importante direito dos bancários, além de uma ferramenta eficaz na área de gestão de pessoas. Permite que o funcionário possa se dedicar ao aprimoramento profissional e pessoal em período integral, sem o recebimento de remuneração, e voltar para a empresa com mais qualificação. Percebemos uma guinada negativa na política de pessoal da empresa, com predominância de ações voltadas para punir, prejudicar o bancário e suprimir direitos. Alterar a licença-interesse não é a medida mais eficaz para o preenchimento das vagas existentes. Se faz urgente a necessidade de um concurso para resolver o problema da falta de funcionários e sobrecarga de trabalho”, critica o diretor do Sindicato Rafael Zanon, representante da Federação Centro Norte na Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

Os bancários que precisarem de algum tipo de orientação sobre seus direitos nesse caso podem entrar em contato com a Central de Atendimento do Sindicato pelo 3262-9090 ou centraldeatendimento@bancariosdf.com.br.

O Sindicato está estudando as medidas cabíveis para proteger o direito dos trabalhadores.

fonte: sindicatodosbancáriosbrasília / 24/10/2019

Comentários